sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Deu no G1: Família de acariense vítima de possível negligência vai processar médicos

Maria Edneide, de 48 anos, havia descoberto problemas cardíacos há pouco tempo (Foto: Arquivo da família)A família da dona de casa Edneide Barbosa da Silva, de 48 anos, pretende processar os médicos do Hospital Regional de Caicó, na região Seridó do Rio Grande do Norte, por negligenciarem o atendimento na unidade. Natural da cidade de Acari, que fica na mesma região, a dona de casa morreu com problemas cardíacos na noite desta quarta-feira (18) no intervalo entre os plantões de dois médicos do setor de urgência.
Acompanhando a irmã no hospital, a autônoma Edijane Barbosa da Silva relata que Maria Edneide chegou às 19h05, momento em que o médico de plantão na urgência deixava a unidade. "Fomos atrás dele na saída do hospital e ele disse 'já está na minha hora', pedindo que aguardássemos o médico que chegaria às 20h", explica. Enquanto isso, Maria Edneide fez um eletrocardiograma, um exame de sangue e ficou respirando com a ajuda de um balão de oxigênio na enfermaria.

Edijane conta que a família tentou chamar o médio que estava trabalhando na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). "As enfermeiras diziam que ele estava vindo, mas nunca vinha. Minha irmã gritava de dor. Quando o médico chegou acho que ela já tinha morrido", diz. A dona de casa ainda foi levada para a UTI, mas não houve tempo para salvá-la. O médico de plantão na urgência chegou às 20h07, após a morte de Edneide, conforme explica a irmã.

De acordo com Edijane, houve confusão no hospital e a polícia foi ao local. "Perguntaram se eu queria fazer um boletim de ocorrência, mas não tinha condições na hora", afirma. Segundo Edijane, a família pretende processar os três médicos.

Falta de equipamento

Os problemas cardíacos de Maria Edneide foram descobertos há pouco tempo. De acordo com a irmã, a dona de casa fez um cateterismo cardíaco, porém o médico de Edneide informou que ela precisaria fazer uma angiotomografia e posteriormente poderia passar por novas cirurgias. O exame foi requisitado na Secretária Municipal de Saúde de Acari. "O processo estava parado há um mês e meio", lembra.

Na tarde desta quarta Maria Edneide passou mal e foi para a casa da mãe, em Acari. Com dores no peito, ela foi levada para o Hospital de Acari, porém o local não tinha o equipamento para realizar o eletrocardiograma. "Está quebrado há meses. Precisávamos saber se ela teve um pré-infarto", conta Edijane.

A família tentou contato com o Hospital Regional de Currais Novos, que também não poderia fazer o exame. No Hospital de Caicó a família foi informada que era possível fazer o procedimento. Maria Edneide foi levada até a cidade, que fica a 68 quilômetros de Acari, chegando à unidade hospitalar por volta das 19h.

Sesap vai apurar caso

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) vai apurar o que aconteceu na morte da paciente Maria Edneide Barbosa da Silva, de 48 anos. Segundo a Sesap, o Conselho de Ética Médica estabelece que nos plantões de urgência e emergência não pode haver solução de continuidade (ausência de médico) e que, por isso, o profissional somente pode se ausentar do plantão após ser rendido por outro da escala.

A Sesap informa ainda que se sensibiliza com a dor da família e garante que, se encontradas falhas que culminaram com o falecimento da paciente, elas serão esclarecidas e medidas cabíveis de responsabilização serão devidamente tomadas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário